Sobre o amor em Catfish

catfish

Apresentei em julho no Ciclo “Conversando sobre cinema na Zona Norte” o filme Catfish. Esse texto é fruto do que havia preparado como fala e do que foi debatido com o grupo que participou da sessão.

Catfish é um documentário americano de 2010 que conta a história de Nev, um fotógrafo de Nova York de 24 anos que acaba conhecendo a artista Megan pelo Facebook e iniciando um romance online. Ao ouvirem revelações surpreendentes sobre a moça, Nev e seus amigos embarcam em uma viagem em busca da verdade.

É difícil escrever sobre esse filme sem estragar a grande surpresa: Nev estava apaixonado por uma pessoa que não existia. Explico.

Todo o contato de Nev com a pessoa que ele desenvolveu afeto era feito por torpedos de celular, ligações telefônicas, emails e mensagens de facebook – principais meios de comunicação virtual da época. E, Angela, a pessoa que realmente existia, usou de todas essas ferramentas para criar personagens, não somente um, mas mais de uma dezena, a fim de poder sustentar uma história verossímil para Nev, que quando percebeu que estava em meio a uma relação com alguém que além de não ser alguém real, transformou isso junto com seu irmão e seu colega no tema do documentário: quem era essa pessoa que estava se passando por Megan?

Uma questão importante de ser levantada: como é possível nos apaixonarmos por alguém que não existe?

A princípio, podemos encontrar a resposta no meio virtual. Ora, ele permite que criemos perfis em questão de minutos, que possamos esconder nosso rosto, forjar vozes e sustentar histórias muitas vezes impraticáveis se estivéssemos frente a pessoa.

Mas proponho que mergulhemos mais a fundo nesse ponto. Afinal, não seria sempre que nos apaixonamos por alguém que não é aquilo pensamos?

Uma hipótese que podemos trabalhar é que Catfish apenas escancara algo que acontece em todas as relações, sejam elas virtuais ou não. Catfish leva ao extremo o fato de não nos apaixonarmos pelo que a pessoa realmente é, mas pelo que imaginamos dela.

Freud já escreveu isso lá em 1921: “Do estado de estar amando à hipnose vai apenas um curto passo. […] Existe a mesma sujeição humilde, que há para com o objeto amado. Há o mesmo debilitamento da iniciativa própria do sujeito;”.

Estar amando é análogo ao estar hipnotizado, deixamos de lado as realidades objetivas e as iniciativas que teríamos com outras pessoas – somos um pouco servos da pessoa amada. No nosso cotidiano, apesar de hipnotizados, existem pontos de congruências entre o que fantasiamos e o que é um fato objetivo. Em Catfish, nada era congruente, não havia intersecção com a realidade. Tudo que Nev viveu era uma invenção.

Não nos privemos de amar, mas saber as regras do jogo nos permite ao menos amar de uma maneira mais saudável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s