Do filme Pais e Filhos: sobre amar e trabalhar.

filmepais-e-filhos-filme

Esse texto foi produzido para o debate do filme Pais e Filhos, que foi exibido ano passado na Biblioteca Pedro Nava dentro do projeto de cinema e psicanálise que estou organizando em parceria com outros profissionais.

O filme conta a história de um grande homem de negócios, Ryoata, obcecado pelo dinheiro e pelo sucesso. Sua vida sofre uma grande transformação quando ele descobre que está criando o filho de outro homem há seis anos, já que seu filho biológico foi trocado por engano na maternidade.

Nesse breve comentário que fiz, tentei trabalhar a partir de diferentes trechos da obra de Freud, o conceito de saúde como a capacidade de amar e trabalhar.

Sobre amar e trabalhar, quatro trechos de Freud e um filme.

Enquanto via o filme pela primeira vez, fiquei muito tocado pelo personagem de Ryoata, e uma frase célebre de Freud retornava na minha mente: “Saúde Mental é possuir a capacidade de amar e trabalhar”. Falar o que é saúde é sempre complicado, mas parece que Freud, o pai da psicanálise, conseguiu chegar a uma definição boa. E é a partir dessa frase que vou tecer alguns comentários.

Ao preparar esse breve comentário, logo percebi que havia criado uma armadilha para mim mesmo, eu não lembrava em qual texto do Freud estava essa frase célebre “Saúde Mental é a capacidade de amar e trabalhar”. Então lá fui eu buscar: Google, artigos do banco de dados da Psicologia, textos da faculdade, textos da formação em psicanálise – nem uma linha com o termo “amar e trabalhar”.

Então fiz o caminho contrário, se não encontro essa frase exata, em quais textos de Freud podemos aproximar esse conceito de “ser saudável é ser capaz de amar e trabalhar”. Nesse meu trabalho de arqueólogo acabei encontrando quatro momentos da obra dele, que se ele não diz exatamente isso, chegamos bem perto…

O mais parecido com a frase que eu encontrei foi em um texto de 1922, chamado Sonhos e Telepatia, nele Freud recorre a algumas cartas que recebeu e a partir delas reflete sobre alguns conceitos da psicanálise. Nesse texto, Freud uma hora fala sobre uma mulher que apesar de atormentada por alguns sonhos da infância, agora vive uma vida saudável, e uma hora está escrito isso:

“Despertaram nela os sentimentos de mulher e trouxeram-lhe as alegrias da maternidade e a capacidade de trabalhar.”

Ser capaz de amar, seu marido e seu filho, e trabalhar.

Um outro momento está no texto: Recomendações Aos Médicos Que Exercem A Psicanálise, de 1912. Freud escreve:

“Como médicos devemos sobretudo ser tolerantes com as fraquezas do doente, temos de nos contentar em recuperar, ainda que seja para alguém de não muito valor, algo da capacidade de realização e de fruição.”

E é disso que Freud está tratando quando fala de realizar e de fruir. Realização nesse texto está no sentido de fazer, realizar, trabalhar. E fruir no sentido de aproveitar, deixar-se levar. Está aí o trabalhar e o amar.

Freud trata disso novamente em “Sobre O Narcisismo: Uma Introdução”, de 1914.

“Um egoísmo forte constitui uma proteção contra o adoecer, mas, num último recurso, devemos começar a amar a fim de não adoecermos, e estamos destinados a cair doentes se, em conseqüência da frustração, formos incapazes de amar.”

Freud deixa claro nessa parte que se não amarmos algo além de nós mesmos, acabaremos doentes. E ele continua nesse mesmo texto afirmando que a nossa mente é algo que deve ser capaz de lidar com aquilo que nos aflige, que nos gera ansiedade, e ao elaborarmos esses conteúdos conseguimos transferir essa energia que estava sendo usada pra lidar com a ansiedade e usá-la com outra coisa! Podemos pensar juntos aqui que o trabalho pode ser uma delas…

Por último, o trecho de um texto de 1926, A Questão Da Análise Leiga:

“Posteriormente, o ego aprende que existe ainda outra maneira de obter satisfação além da adaptação ao mundo externo que descrevi. É também possível intervir no mundo externo modificando-o, e nele estabelecer intencionalmente as condições que tornam possível a satisfação. Essa atividade então se torna a função mais elevada do ego; decisões quanto a quando é mais conveniente controlar as paixões e curvar-se diante da realidade, e quando é mais apropriado ficar ao lado das paixões e lutar contra o mundo externo – tais decisões compõem toda a essência da sabedoria mundial.”

Esse trecho resume muito bem o filme todo. Não podemos só nos adaptar ao mundo externo, representado no filme especialmente pelo trabalho, mas que poderia ser qualquer outra coisa. Também nos satisfazemos com nossas paixões, nossas escolhas, que invariavelmente não são todas de adaptação a uma ordem pré-estabelecida.

E foi esse processo que foi narrado no filme, a trajetória de um personagem que no desejo de se adaptar a uma realidade, a um mundo externo, não se permitia encontrar suas paixões, se protegia, até perceber que essa satisfação – a de adaptar-se ao mundo do trabalho –  não só não era a única, como ainda o deixava angustiado. Foi quando um novo horizonte se abriu – a partir das fotos que seu filho tirou – e percebeu que podia se permitir amar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s