O Lixo, ou Quando Updike encontra Veríssimo

Li esses dias um artigo que me lembrou algumas coisas, resolvi compartilhar aqui.

A história tem 2 personagens: Paul Moran, um vendedor de raspadinhas, aqueles sorvetes de gelo triturado, e John Updike, um dos mais importantes escritores norte americanos do século XX.

Resumidamente, Moran estava andando de bicicleta por Beverly, Massachussets, quando John Updike foi tirar o lixo de sua casa e colocar na rua. Moran, após refletir, deu uma volta no quarteirão e pegou parte do lixo de Updike. Esse processo se repetiu por inúmeras quartas-feiras ao longo dos anos, quando Moran retirava todo o lixo de Updike e guardava em seu carro para futura inspeção.

Moran encontrou de tudo: manuscritos, cartas pessoais, fotos, cartões postais, recibos, enfim… Tudo que nós, famosos ou não, descartamos um dia por não vermos mais utilidade em guardar. O lixo é público, mas o que Updike acharia de tudo isso caso ele ainda estivesse vivo?

Trago agora o que a psicanálise diz sobre o lixo, o descartado, o que nos é estranho e inútil. Freud, em 1918, escreve:

“[…] pode-se compreender por que o uso lingüístico estendeu das Heimliche [‘homely’ (‘doméstico, familiar’)] para o seu oposto, das Unheimliche [‘estranho’]; pois esse estranho não é nada novo ou alheio, porém algo que é familiar e há muito estabelecido na mente, e que somente se alienou desta através do processo da repressão.”

O lixo muitas vezes é só lixo, mas o lixo também pode ser aquilo que toca em traços da nossa vida mental que outrora foram esquecidos, reprimidos. A escolha então, passa a ser: melhor eu jogar isso fora porque não quero remexer nisso aqui.

O que jogamos fora afinal, não é tão estranho, inútil assim.

Impossível não se lembrar de uma crônica do Veríssimo, O Lixo, na qual dois vizinhos se encontram na área de serviço comum do prédio e relatam o que um vem encontrando no lixo do outro (restos de comida, fotos, cartas, lenços de papel) e as conclusões que tiram disso.

Quando jogamos algo fora, esperamos que não só aquilo desapareça, mas que também a memória que aquilo nos traz vá junto.

Talvez, o próprio Updike tenha respondido a pergunta que fiz quando escreveu em um de seus textos, no qual um senhor vai até um lixão com seus filhos jogar algumas coisas fora e sua filha encontra uma boneca no meio de tanto lixo e o senhor responde:

“Ame-a agora. Ame-a agora, mas não podemos levá-la para casa.”

E então? O que fazer com o lixo?

Uma saída pode ser juntar o Updike com o Veríssimo. Updike escreve sobre a importância do lixo continuar descartado – sem negar a importância daquele objeto, enquanto os vizinhos de Veríssimo, a partir do lixo, do descartado de cada um, marcaram um jantar.

Não podemos remoer na nossa vida todos os sentimentos que já passaram por nós e que nos deixaram marcas, mas devemos nos permitir elaborá-los e construir um novo sentido.

Um comentário em “O Lixo, ou Quando Updike encontra Veríssimo

Deixe uma resposta para Maria Inês Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s